“Monstros” da guitarra voltam às origens em documentário

The Edge dos U2

The Edge dos U2

Para três dos maiores guitarristas do mundo, os seus instrumentos foram uma passagem para deixar a pobreza e a vida dura. É isso que mostra o documentário “It Might Get Loud” (“Poderia para ficar alto”), de Davis Guggenheim, sobre Jimmy Page (ex-Led Zeppelin), The Edge (U2) e Jack White (The White Stripes e The Raconteurs).

O trio conta como começou a tocar guitarra, quais foram as suas influências e por que o seu estilo de tocar é diferente dos demais. O documentário culmina com um encontro num cavernoso estúdio de Hollywood, onde eles conversam e terminam juntando guitarras eléctricas e violões acústicos.

A trajectória dos três até o estrelato difere bastante, até mesmo por se tratar de continentes e gerações diferentes. Mas eles têm em comum o facto de terem usado a guitarra para abrir um mundo de possibilidades numa época em que as alternativas pareciam sombrias.

O grisalho Page, 65 anos, lembra como sentia o peso da rotina sendo músico de estúdio, fazendo a base para canções pop e jingles. Mas então ele entrou para a banda The Yardbirds, e depois participou na formação do Led Zeppelin, um dos grandes nomes do rock a década de 1970.

Para The Edge, 47 anos, tocar numa banda irlandesa do final da década de 1970 e começo da de 80 era a chance de escapar da miséria ao seu redor.

Jack White, 33 anos, trabalhava como estofador na adolescência, mas já se interessava por música, e um dos seus primeiros discos foi lançado em conjunto com um colega de trabalho.

Guggenheim, director do premiado documentário ambiental “Uma Verdade Inconveniente”, mistura imagens do encontro, entrevistas individuais e material de arquivo dos guitarristas.

The Edge (ou David Evans), obcecado por tecnologia, recorda-se da sala de aula onde o U2 ensaiava nos seus primórdios. “Nenhum de nós sabia tocar àquela altura. Era realmente muito ruim.”

Page volta a Headley Grange, na Inglaterra, onde o clássico do Led Zeppelin “Stairway to Heaven” foi gravado.

Na sua casa, cercado por milhares de discos, um radiante Page toca “Air guitar” enquanto escute “Rumble”, de Link Wray, que lhe causou uma profunda impressão como guitarrista.

Numa antiga reportagem de TV, o músico-estudante é questionado sobre o que gostaria de fazer na vida. “Quero fazer pesquisa biológica”, diz.

White produz uma “guitarra” com pregos, fios, madeira, uma garrafa e um amplificador, e diz: “Quem disse que você precisa comprar uma guitarra?”

Guggenheim afirmou que “It Might Get Loud”, exibido nesta semana no Festival de Berlim, onde cerca de mil pessoas se juntaram para ver The Edge, é diferente de outros “rockumentários”.

“A maioria dos documentários de rock and roll aborda os acidentes de carro e as overdoses”, disse ele em notas da produção para o filme. “Quisemos focar as histórias e a trajectória do artista, queríamos ir mais fundo abaixo da superfície.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: