Costa Neto no “Clube dos Entas” (*)

Costa Neto nos estúdios da Rádio Moçambique

Costa Neto nos estúdios da Rádio Moçambique

Em outúbro próximo o meu convidado desta quinta-feira, 7, vai completar meio século de vida: 50 anos. Há cerca de dez anos pois que ingressou no maravilhoso “Clube dos Entas”.

Muitos dos nossos leitores conhecem-no, não só porque é filho desta terra mas porque, a partir de lá de fora, produz, reproduz e publica as imagens e os sons do seu país: Moçambique.

O nosso “Enta” de hoje viu o sol pela primeira vez em terras que delimitam o fim do sul de Moçambique: Matutuíne. Enquanto a mãe era talhada para as lides domésticas, o pai abraçou a profissão de orientar os marinheiros, sobretudo nas noites tempestuosas, de maresia, dando-lhe orientação para que não desse à costa errada. O “Velho” era faroleiro na Ponta de Ouro, essa maravilhosa praia na ponta do sul desta que alguém um dia chamou que “Pérola do Índico”.

Estou a falar, caro leitor, de Costa Neto. Músico moçambicano, há pouco mais de vinte anos a residir em Portugal.

Costa Neto, como muitos outros meninos da sua época, sobretudo nas matas de Matutuíne, bebeu e apreendeu do muito do que conhece na música ouvindo o chilrear dos pássaros. Dos xiricos da Catembe … quem nunca os ouviu, não entende de música. De resto “Catembe” é nome de uma música do mítico Miles Davis

Encantado com os maravilhosos sons da passarada, dá-se a Costa Neto a oportunidade de imitar e passar aqueles sons da infância para as pautas e instrumentos musicais. Ingressa no seminário… até um dia.

Ao Costa Neto não lhe interessava os hábitos nem as vestes do sacerdócio. Agradeceu a aprendizagem musical e o gosto pelo belo que ela encerra. “Baza”, se assim se pode dizer, para um outro mundo, mais libertino, o mundo das noitadas ao som de guitarras, marracas e congas e… de meninas e boa cerveja. As noitadas do Jiva Mafruta. Na mítica Mafalala, arrebaldes de Maputo, na altura Lourenço Marques.

Aqui dá-se o encontro com aquele que muitos consideram um marco incontornável da música moçambicana, do sul. Estamos a falar de Fani Mpfumo e tantos outros do mesmo quilate.

E como qualquer outro jovem de então, a Mafalala não era o fim do mundo. Nem Fani Mpfumo e outros do bairro eram os únicos na arte musical. Era preciso viver outras experiências, que as havia em outras paragens da cidade de Maputo. De bons executantes, que Costa Neto recorda com certa nostalgia.

De música sacra nada tem a música que Costa Neto produz hoje, embora se reconheça que a sua experiência no acompanhamento das liturgias foi de grande utilidade. Para ele e para os seus companheiros, alguns dos quais continuam na activa e outros não. Chico António é um deles … o eterno boêmio.

Da igreja, Neto passa para a música ligeira, tocada e dançada cá fora. Por grupos que marcaram a sua época e outros, nem tanto. Mas sempre com belas recordações. O Mbila (aqui com o meu produtor do “Clube dos Entas”, Nassurdine Adamo de seu nome), o ABC, etc, etc.

Costa Neto, Galiza Matos e Nassurdine Adamo, nos estúdios da RM

Costa Neto, Galiza Matos e Nassurdine Adamo, nos estúdios da RM

Ayuwéééé

Recordações de tempos bonitos. Tempos marcados por insuficiências de vária ordem. Entre elas, aquelas que limitavam as capacidades criativas de muitos, com particular incidência entre aqueles que faziam da arte o seu modo de estar e ver o mundo.

Uns, conformaram-se, outros nem tanto. Preferiram “dar o fora”, como então se dizia. E o Neto vai para Portugal para uma digressão com os Gorwane… até hoje, passam 21 anos.

Uma carreira que resultou em algumas produções … produções marcadas pela seriedade, onde não coube a busca cega do sucesso fácil. A última dessas produções é “Protótypus”, que Costa Neto considera uma sugestão algo intimista… “difícil de ouvir”.

E para os tempos que vêm aí… marcados por muitas incertezas em todas as áreas de labor… os sonhos, os projectos de vida, no meio deste cenário, têm oportunidade de se concretizar? …

Costa Neto não sabe…

Costa Neto não arrisca nada…

De uma coisa ele se orgulha: o de ser “positivo” em tudo o que faz, em tudo o que pretende fazer… o que não lhe impende de olhar o que os outros fazem, reconhecendo-lhes mérito quando o merecem, mas criticando o que se lhe afigura a falta de auto-estima entre os seus contemporrâneos e … conterrâneos…

(*) No programa da Rádio Moçambique (Antena Nacional) “Clube dos Entas” desta quinta-feira, 7, o leitor pode ouvir a entrevista de Costa Neto, da qual resultou este texto adaptado.  Oiça no FM 92.3

Uma resposta to “Costa Neto no “Clube dos Entas” (*)”

  1. A música que transmitem na Rádio Moçambique é mesmo boa.
    Hello Nassour,my friend!Saudades!Kanimambo.
    Costa Neto é bom músico!
    Boa sorte e boas produções!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: