Michael Jackson: sucesso, polémica e inúmeros adjectivos

michael_baptistao

Rei do pop, dono do disco mais vendido da história, inventor do videoclipe, maior entertainer vivo. Muitos são os aditivos para se referir a Michael Joseph Jackson, que morreu nesta quinta-feira, 25, aos 50 anos, após sofrer uma paragem cardíaca em Los Angeles. O artista, que vendeu 750 milhões de álbuns e venceu 13 prémios Grammy, encarou os holofotes muito cedo, e teve uma vida marcada por duas constantes, com a mesma grandeza e proporção: sucesso e polémica.

O astro nasceu em 29 de agosto de 1958, em Gary, cidade norte-americana do Estado de Indiana. Ele tinha três filhos: Michael Joseph Jackson Jr., Paris Michael Katherine Jackson e Prince Michael Jackson II. O cantor saiu do anonimato ao lado dos seus quatro irmãos – Jackie, Tito, Jermaine, Marlon – à frente do grupo Jackson Five, que arrebatou consecutivos sucessos nas paradas durante as décadas de 1960 e 1970.

 

Os Jackson Five
Os Jackson Five

Mas foi sozinho que Jackson viveu o auge e a decadência da sua carreira.

Em 1979, com o lançamento do álbum Off The Wall – o primeiro a solo, que arrancou elogios da crítica ao combinar R&B, Black Music e Disco – o cantor começou a experimentar uma exposição cada vez maior na comunicação social, que viria a culminar em 1982, com Thriller, até hoje o CD mais vendido do mundo, com cerca de 100 milhões de cópias. A 16 de maio de 1983, Jackson apresentou ao mundo o “Moonwalk”, passo de dança em que o cantor deslizava sobre o palco, durante a canção Billie Jean, num show em Los Angeles. Estava imortalizada a sua marca registada.

Com Thriller também começou a era de videoclipes na MTV, emissora que começara a despontar. Em 1984, Jackson recebeu das mãos de Ronald Reagan, então presidente americano, um prémio pelas suas acções filantrópicas. No ano seguinte, adquiriu, por 47,5 milhões de dólares, os direitos sobre as músicas dos Beatles (uma década depois, ele vendeu 50% do catálogo para a Sony Music). O emblemático gesto foi visto mais do uma simples demonstração de poder financeiro: era uma lenda pop a comprar a obra de outra. Nesta época, o cantor também gravou parcerias com o ex-Beatle Paul McCartney. (The Girl is Mine e Say Say Say). 

Antes de lançar o seu próximo álbum, Jackson juntou-se a 44 celebridades para gravar a canção We Are The World, com o objectivo de angariar fundos para a África. Como resultado, além dos 200 milhões de dólares arrecadados para a campanha USA For África, o astro levou mais dois Grammys.

Em 1987, entre uma e outra digressao, veio o seu terceiro álbum a solo, Bad. Apesar de não repetir o sucesso monstruoso do anterior – vendendo “apenas” cerca de 30 milhões de cópias – o disco manteve Jackson em rotação máxima nas rádios e televisões do planeta. Foi nessa época que as especulações sobre quantas cirurgias plásticas o cantor já teria feito começaram a ofuscar a atenção da sua música. O astro aparecia cada vez mais branco e as suas feições já estavam diferentes. As mudanças não passaram despercebidas pela imprensa e anos depois, em 1993, Jackson admitiu na televisão americana que a sua “nova cor” era consequência de vitiligo – explicação que foi contestada por muitos.

Dos palcos aos tribunais

Em 1991, Jackson lançou Dangerous, álbum cujo título parecia prenunciar o perigoso declínio que a carreira do astro estava prestes a enfrentar. Logo no primeiro single, Black Or White, o cantor brincava com a discussão sobre a mudança da cor da sua pele (“Se você estiver a pensar em ser minha, não importa se é branca ou preta”, dizia o refrão), mas o disco não emplacou no mercado americano da mesma maneira que os anteriores, pelas mudanças trazidas pelo grunge de Nirvana e Pearl Jam, que agora comandavam paradas. Resultado: “só” 7 milhões de álbuns vendidos nos EUA.

Dois anos depois, Jackson estava ocupado na digressão de promoção do disco quando uma denúncia veio à tona. O pai de Jordan Chandler, de 13 anos, afirmava que o cantor havia molestado o seu filho no rancho de Neverland, excêntrica residência do artista que contava com o seu próprio parque de diversões. Jackson negou veementemente as acusações na televisão americana e fez um acordo judicial de 22 milhões de dólares com a família de Chandler para tentar encerrar a polémica. Não conseguiu: nos próximos anos, mais denúncias de pedofilia iriam obscurecer o seu prestígio artístico.

FC7FB20E96E64E4F91046BDCC771CC5F

Em 1994, casou-se com Lisa Marie Presley, filha do rei do rock, Elvis, num matrimónio que durou dois anos e foi visto pela imprensa como uma tentativa de deixar para trás a má fase vivida pelas denúncias do escândalo de pedofilia. Um ano depois, lançou um disco duplo (HIStory: Past, Present and Future) que teve a maior campanha de marketing já usada na indústria fonográfica e, mesmo vendendo cerca de 30 milhões de cópias, decepcionou a gravadora. Em 1996, casou-se com a dermatologista Deborah Rowe, com quem teve dois filhos: Michael Joseph Jackson Jr e Paris Katherine Jackson. Terminado o relacionamento, Deborah abriu mão da guarda das crianças para Jackson.

Último disco, novas denúncias

Nos anos seguintes, novamente a polémica tomaria o lugar do sucesso. Em 2001 veio Invincible, disco que resultou numa queda de braço com a Sony, que tomou decisões sobre a divulgação do trabalho a contragosto do cantor. Jackson alegou preconceito por ser um artista negro e o CD vendeu apenas 8 milhões de cópias em todo o mundo, tornando-se o menos vendido da sua carreira.

Em 2002, o cantor teve o seu terceiro filho, Prince Michael Jackson II, cuja mãe foi mantida em segredo. Um ano depois, outra denúncia de pedofilia: a família do adolescente Gavin Arvizo acusou o astro de ter molestado o filho em Neverland. Em junho de 2005, Jackson foi absolvido pela Justiça americana por falta de provas.

De lá para cá, foram raras as aparições do cantor, embora o seu catálogo estivesse a ser amplamente explorado pela Sony, que lançou várias colectâneas.

 

O princípio do fim do "Rei"
O princípio do fim do “Rei”

Neste ano, anunciou 50 shows em Londres, cujos ingressos se esgotaram em questão de horas. Segundo Jackson, seriam as suas últimas apresentações. A morte, porém, não permitiu que o rei do pop se despedisse oficialmente dos palcos, e veio da mesma maneira que seu sucesso: fugaz, precoce e incontestável.

4 Respostas to “Michael Jackson: sucesso, polémica e inúmeros adjectivos”

  1. muito interesante

  2. MICHAEL JACKSON MORREU MAIS DEIXOU SUAS OBRAS PARA SEREM LEMBRADAS AQUI ELE VAI DEIXAR MUITA SAUDADE PRA QUEM O CONHECEU SIGA EM PAZ!!!!!!

  3. É interessante que toda vez que a mídia menciona a respeito de pedofilia, a mídia não conta tudo ou não pesquisa sobre o assunto ou faz de conta que não sabem quem foram essas pessoas que acusaram falsamente Michael Jackson. Tenham cuidado com certas notícias que repassam, que a vítima um dia pode ser vocês. Toda vez que se fala do artista tem que falar da sua aparência e das acusações. Criticar os outros é fácil, lembrar enfatizando os momentos tristes que Michael passou também é muito fácil, afinal para muitos ele não é seu irmão, não é seu pai, então enfatizar os momentos tristes de alguém não é nada. O artista foi inocentado de todas as falsas acusações. É lamentável que uma pessoa como Michael Jackson, que doou tanto aos outros, tenha tido tanta decepção com a humanidade, antes ele fôsse um mau caráter, assim ele teria mais prestígio

  4. Esse négócio de ficar comentando da vida particular de artista está mais do que ultrapassado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: