Mia Couto – Homenageado no Brasil, afirma que reforma ortográfica não faz sentido

"Nós já nos entendemos, eu sempre li brasileiros sem dificuldade nenhuma"

"Nós já nos entendemos, eu sempre li brasileiros sem dificuldade nenhuma"

Antes da unificação da grafia da língua portuguesa nos países africanos que falam oficialmente o português, é preciso discutir questões do âmbito social e político, defende o escritor moçambicano Mia Couto para quem a reforma ortográfica não faz sentido.

“Eu não tenho uma posição militante em relação a isso, não dou essa importância. Reconheço que pode haver algumas razões para se fazer uma reforma ortográfica. Eu sou crítico ao discurso que foi feito para justificar o acordo para ficarmos mais próximos, para nos entendermos melhor, isso é mesmo mentira”, disse.

Para Mia Couto, os falantes da língua portuguesa já se entendem, “é mentira que tenhamos nos afastado do ponto de vista cultural do conhecimento”. E complementa que “nós já nos entendemos, eu sempre li brasileiros sem dificuldade nenhuma”.

De acordo com o sócio correspondente da Academia Brasileira de Letras que está no Rio de Janeiro para o Festival de Teatro da Língua Portuguesa, o que afasta o mundo lusófono são as “opções políticas e estratégias que as elites desses países têm”. Se estas questões não forem discutidas, segundo disse à Lusa o escritor moçambicano, “vamos criar um mal entendido pensando que automaticamente, por uma razão técnica, nós vamos chegar a uma maior proximidade”.

Mia Couto diz sentir prazer em ler autores brasileiros com “elementos gráficos diferentes para que essa diversidade esteja presente”. E refere não ter “medo de uma língua que tenha diversidades com a tradução de marcas culturais e geográficas, não temos que ter medo disso”.

Ele afirma-se resistente ao Acordo Ortográfico que no Brasil vigora desde 1 de Janeiro deste ano. Para o escritor, os países pobres de língua portuguesa precisam “resolver uma série de outras coisas antes (da reforma) que não sei se estão a ser discutidas”.

“Entendo que em Portugal este assunto foi tido com muito mais nervos e componentes psicológicos” e contrapôs que em Moçambique, um país com mais de 25 línguas africanas, o português é tido como segunda língua. “As pessoas lá são quase sempre multilíngues, pois falam duas ou três línguas africanas.”

Com seu livro recém lançado no Brasil “Antes de nascer o mundo”, cujo título em Portugal e em Moçambique é “Jesusalém”, Mia Couto considera-se antes de tudo um poeta e diz que o que lhe fascina na prosa é o “poder fazer a criação poética, não só em cima da linguagem, mas em cima da narrativa”.

“Para mim a poesia não é só um gênero literário, é uma maneira de eu ver o mundo, de eu sentir o mundo”, salientou ao destacar que a literatura ainda pode causar encantamento e criar utopias.

“A literatura pode mostrar o gosto de se poder sonhar e se poder construir outros dias. Não é o escritor que desenha um caminho para a saída, mas ele mostra que há um prazer em encontrar um mundo para além desse”, declarou.

Após 16 anos de guerra civil com um saldo de um milhão de mortos, Mia Couto se diz céptico, mas que a literatura pode ajudar a cicatrizar as feridas.

“Eu faço arte, literatura, e sou movido por este desejo de ter um compromisso ético de criar uma sociedade nova em Moçambique, um mundo mais justo com mais verdade”, explicou.

Mia Couto é homenageado na abertura de Festival de Teatro no Brasil

"Os países pobres de língua portuguesa precisam "resolver uma série de outras coisas antes (da reforma) que não sei se estão a ser discutidas"

"Os países pobres de língua portuguesa precisam "resolver uma série de outras coisas antes (da reforma) que não sei se estão a ser discutidas"

O escritor moçambicano Mia Couto foi o homenageado no Festival de Teatro da Língua Portuguesa (Festlip) que decorre até dia 12, no Rio de Janeiro, e leva ao Brasil onze espectáculos teatrais de seis países lusófonos.

“Estamos a consolidar uma parte da cultura de nossa língua portuguesa. O Mia Couto é homenageado pelo que ele representa e pelo incentivo que dá aos grupos de teatro. É uma pessoa que o teatro de língua portuguesa tem se alimentado”, afirmou na noite de abertura do festival a idealizadora do evento, a actriz e produtora Tânia Pires.

Esta segunda edição do festival que já integra o calendário cultural carioca reúne 80 profissionais de teatro de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Portugal.

Cada país será representado por duas companhias, a excepção de Guiné-Bissau, que faz sua estreia no Festlip com montagem do Grupo do Teatro do Oprimido, criado no país pelo recém-falecido dramaturgo Augusto Boal.

Na programação, além da palestra de Mia Couto cujo tema será a “metamorfose da literatura para o teatro”, será encenado pelo Grupo Tijac, de Moçambique, o espectáculo “Mar me Quer”, baseado na obra de sua autoria.

Mia Couto disse ter tido dúvidas se aceitava o convite para o festival e afirmou ter pensado em declinar e dedicou a homenagem a todos os “heróis fazedores de teatro”.

O escritor disse que na reprodução das suas obras literárias para o teatro e para o cinema, há uma “tentação de que aquilo que fizemos pelo menos não morra”.

“Significa que há um diálogo entre linguagens diferentes. Transplantar significa exactamente semear no outro terreno e o que vai nascer será uma outra coisa, eu noto que meu trabalho serviu de inspiração, de ponto de partida”, afirmou, ao referir que procura não ter a expectativa de que o que está a ser feito possa ser um “prolongamento” de sua obra.

Nascido em Beira, Moçambique, em 1955, Mia Couto é sócio correspondente da Academia Brasileira de Letras. Além de jornalista, ex-militante político e biólogo, Mia Couto é considerado um dos grandes escritores contemporâneos africanos de literatura de expressão portuguesa.

Entre seus prémios, o moçambicano foi distinguido pelo conjunto da sua obra com o Prémio Vergílio Ferreira 1999 e também recebeu o Prémio União Latina de Literaturas Românicas em 2007.

A expectativa para este ano é de que cerca de 18 mil pessoas circulem pelas eventos culturais e assistam aos espectáculos teatrais, todos com entrada franca.

O segundo Festlip conta com apoio das embaixadas de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Portugal, Instituto Camões, Ministério da Cultura, Fundação Palmares e Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: