Arquivo de Danny Boyle

“Quem quer ser Bilionário?” é o Melhor Filme e o grande vencedor da noite dos Óscares

Posted in Óscares, Cinema with tags , , , , on 23 de Fevereiro de 2009 by gm54
8 estatuetas para "Quem Quer Ser Bilionário"

8 estatuetas para "Quem Quer Ser Bilionário"

Quem quer ser Bilionário?” conquistou o Óscar de Melhor Filme, terminando a noite da 81.ª edição dos prémios da Academia como a película mais premiada, com oito estatuetas douradas, entre as quais a de Melhor Realizador (Danny Boyle) e Melhor Argumento Adaptado. Sean Penn, Kate Winslet, Penélope Cruz e o falecido Heath Ledger levaram os prémios de interpretação.

A história de um rapaz dos bairros de lata de Mumbai que ganha um prémio milionário num concurso de televisão conquistou a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, deixando de fora dos principais prémios o recordista das nomeações do ano “O Estranho Caso de Benjamin Button” (13), que conquistou apenas três estatuetas, todos em categorias técnicas (caracterização, efeitos visuais e direcção artística).

“Quem quer ser Bilionário” venceu ainda nas categorias de Melhor Fotografia, Som, Montagem, Banda Sonora Original e Canção Original.

O segundo filme a receber mais estatuetas foi “O Estranho Caso de Benjamin Button”, que levou para casa três prémios, os relativos a Melhor Cenografia, Maquilhagem e Efeitos Visuais. A película protagonizada por Brad Pitt, que saiu derrotado na categoria de Melhor Actor, tinha o maior número de nomeações, 13 no total.

Numa cerimónia apresentada por Hugh Jackman, que rompeu com uma longa tradição de serem comediantes a desempenharem esse papel, “Bilionário” confirmou no Kodak Theatre em absoluto o seu favoritismo, tal como Kate Winslet, que com o seu papel de freira em “O Leitor” conquistou o seu primeiro Óscar, apenas à sua sexta nomeação, derrotando, entre outras, Meryl Streep que, com “Dúvida”, somava este ano a sua 15ª nomeação.

Menos esperado foi o triunfo de Sean Penn, que foi considerado o melhor actor por “Milk”, em prejuízo de Mickey Rourke, que era o grande favorito entre os nomeados pelo seu “comeback” como lutador envelhecido em “O Wrestler”.

O momento mais emotivo da noite aconteceu com a entrega do Óscar de melhor actor secundário a Heath Ledger, falecido há pouco mais de um ano com overdose de medicamentos, pelo seu Joker de “O Cavaleiro das Trevas”. Ledger foi o segundo a receber um Óscar póstumo de interpretação, depois de Peter Finch, considerado o melhor actor de 1976 em “Escândalo na TV” dois meses depois da sua morte. A receber o prémio em nome de Heath Ledger esteve o seu pai, Kim.

Penélope Cruz, por “Vicky Christina Barcelona”, triunfou na categoria de melhor actriz secundária.

A película “Departure” (Japão) foi distinguida com o Óscar para melhor filme em língua estrangeira.

Poucos americanos entre os vencedores

Foram 24 os prémios atribuídos, mas poucos foram para norte-americanos. Os quatro prémios de interpretação foram para actores de quatro nacionalidades diferentes e apenas um foi norte-americano, Sean Penn (melhor actor). Os outros foram para uma inglesa (Kate Winslet, “O Leitor”, uma espanhola (Penélope Cruz, “Vicky Christina Barcelona”) e um australiano (Heath Ledger, “O Cavaleiro das Trevas”).

Nas outras categorias principais, o melhor filme “Quem quer ser Bilionário” é uma produção inglesa, e o seu realizador (Boyle) e argumentista (Simon Beaufoy) também britânicos. Quanto ao melhor argumento original, o Óscar foi para um norte-americano, Dustin Lance Black, por “Milk”.

Lista completa dos vencedores nas 24 categorias


Actriz secundária: PENELOPE CRUZ, VICKY CRISTINA BARCELONA

Argumento original: DUSTIN LANCE BLACK, MILK

Argumento adaptado: SIMON BEAUFOY, QUEM QUER SER BILIONÁRIO?

Longa-metragem de animação: WALL-E

Curta-metragem de animação: LA MAISON EN PETITS CUBES

Cenografia: O ESTRANHO CASO DE BENJAMIN BUTTON

Figurinos: A DUQUESA

Maquilhagem: O ESTRANHO CASO DE BENJAMIN BUTTON

Fotografia: ANTHONY DOD MANTLE, QUEM QUER SER BILIONÁRIO?

Curta-metragem: THE PIG

Actor secundário: HEATH LEDGER, O CAVALEIRO DAS TREVAS

Documentário de longa-metragem: HOMEM NO ARAME

Documentário de curta-metragem: SMILE PINKY

Efeitos Visuais: O ESTRANHO CASO DE BENJAMIN BUTTON

Efeitos Sonoros: O CAVALEIRO DAS TREVAS

Som: QUEM QUER SER BILIONÁRIO?

Montagem: QUEM QUER SER BILIONÁRIO?

Banda Sonora Original: QUEM QUER SER BILIONÁRIO?

Anúncios

“Quem quer ser bilionário?” foi filmado no bairro da lata

Posted in Óscares, Cinema with tags , on 4 de Fevereiro de 2009 by gm54

o realismo

Danny Boule: o realismo

“Quer Ser Bilionário?”, o filme de Danny Boyle que parece cada vez mais ser um dos grandes favoritos para os Óscares. O Diário de Notícias de Portugal falou com o realizador, sobre esta esta experiência indiana. A entrevista foi publicada na edição desta quarta-feira, 4 de Fevereiro.

Como definiria a cidade de Bombaim?
A cidade é construída sobre dois grandes pilares. Um é o negócio, como em Nova Iorque: toda a gente está a fazer algum negócio, incluindo os mais pobres. O outro é o sonho, a dança dos filmes de Bollywood. É tudo isso que lhe dá a sua energia tão especial.
Houve alguns filmes sobre a Índia que lhe tivessem servido de referência ou inspiração?
Vi alguns filmes (que não mencionarei) que detestei e, de alguma maneira, foram uma grande ajuda: tinham precisamente o que eu não queria fazer. Aliás, faço questão em dizer que eu fiz um filme desses chamado A Praia, na Tailândia [produção de 2000, com Leonardo DiCaprio ]. Levei uma equipa de 150 pessoas, ocidentais, e eram como um exército invasor: chegam e limitam-se a fazer o filme que já levam na cabeça. Desta vez, levámos umas dez pessoas e, no essencial, fizemos tudo com uma equipa de Bollywood. Não faz sentido encarar as coisas com o olhar ocidental, julgando que a cidade não funciona: de facto, funciona, mas não de acordo com os nossos padrões. É preciso saber utilizar isso. E foram 20 horas por dia…
Qual foi o papel de Loveleen Tandan, a co-realizadora do filme?
Na origem, ela era directora de casting. E convém lembrar que esse foi um processo muito demorado, quanto mais não seja porque cada uma das duas personagens principais tem três intérpretes. Daí que tenha estabelecido com ela uma relação muito para além do casting, envolvendo também o argumento e as suas opções. Acabou por funcionar como minha consultora: ajudou-me imenso a corrigir os erros que o argumento continha, erros resultantes de um olhar ocidental. Além do mais, Loveleen é alguém que tem a ambição de vir a realizar filmes e, neste caso, acabei mesmo por lhe entregar a direcção da segunda equipa de filmagens.
O modo de filmagem tem algo de documental. Como foi, em particular, o tratamento do som?
O som em Bombaim é um fenómeno incrível de camadas e camadas… É o tipo de som que não é possível fabricar em estúdio. Claro que podíamos sempre corrigir uma ou outra fala dos actores, mas o ruído tem infinitos contrastes. Por exemplo, na confusão do trânsito, ao contrário do que estamos habituados, quem conduz está-se nas tintas para quem vem atrás; por isso mesmo, quem vem atrás tem por obrigação buzinar, de três em três segundos, para lembrar ao da frente que está ali. Bip! Bip! Para nós, quando ouvimos aquilo a primeira vez, temos a tradicional reacção ocidental de agressividade: “Que é que o fulano quer?” Mas depois percebemos que é apenas uma questão de delicadeza: “Bip! Bip! Lembra-te que eu estou aqui!”
Seja como for, os modos de filmagem não foram típicos de Bollywood.
A atitude normal em Bollywood é: “Querem um bairo da lata? Então construímos o bairro da lata no estúdio.” Mas neste caso a atitude era: “Queremos filmar no próprio bairro da lata.” E filmámos mesmo, incluindo na zona imensa onde são lançados os excrementos. Houve mesmo um elemento da equipa de som que caíu na vala… A dimensão britânica do filme passa por esse realismo: porque eu sou britânico, claro, mas também porque a nossa tradição é mais realista. Em Bollywood, estão-se nas tintas: o que conta é o sonho. Por alguma razão, os realizadores são conhecidos como “mercadores de sonhos”.