Archive for the Religião Category

Património histórico-cultural: Governo mobiliza fundos para restauração de importantes monumentos em Nampula

Posted in Arquitectura, Fotografia, Religião, Turismo with tags , , , , , , on 16 de Abril de 2010 by gm54

As autoridades culturais em Nampula estão a desenvolver esforços para angariar apoios financeiros junto de parceiros internacionais para serem aplicados num ambicioso plano de restauro de importantes infra-estruturas histórico-culturais localizadas no distrito costeiro de Mossuril, defronte da Ilha de Moçambique.

O Palácio de Verão dos governadores, a feitoria e a rampa dos escravos e a Igreja da Nossa Senhora dos Remédios, monumentos em avançada degradação progressiva, são as relíquias históricas que, em caso de uma resposta positiva de eventuais doadores, irão sofrer as necessárias obras de restauro.

O suplemento “Caderno Cultural” do matutino Notícias, escreve na sua última edição, que apenas a embaixada da Espanha mostrou interesse em desembolsar fundos para a aquele efeito, prometendo no entanto fazê-lo através da UNESCO, a agência das Nações Unidas para a Ciência Cultura e Educação.

Outra exigência da representação espanhola, é elaboração, pelas autoridades culturais de Nampula, de uma proposta detalhada relacionada com a futura utilização sobretudo do Palácio de Verão dos Governadores, após o que poderá desembolsar os fundos para custear as despesas com a restauração do imponente imóvel localizado na zona da Cabaceira Grande, no continente.

Mário Intetepe, chefe dos serviços de acção cultural na Direcção Provincial de Educação e Cultura, é citado pelo “Caderno Cultural” como tendo dito que a exigência catalã está a ser satisfeita, priorizando-se o aproveitamento do Palácio de Verão dos Governadores e a residência de Neutel de Abreu.  Este edifício, de acordo com Intetepe, poderá ser utilizado também como local de debate, entre jovens, de assuntos ligados à história e cultura, para além de outros temas do seu interesse.

Os edifícios em questão possuem espaços amplos que podem servir de salas de aulas para leccionar algumas turmas que estudam ao relento na Cabaceira Grande.

Mário Intetepe acrescentou por outro lado que aqueles imóveis constituem ponto de atracão turístico daí que a sua instituição olha para a questão da sua restauração como uma prioridade.

Relativamente a outros imóveis histórico-culturais de Mossuril que igualmente necessitam de alguma intervencão de restauro, Mário Intetepe afiançou que as autoridades culturais de Nampula vão prosseguir contactos com outros parceiros que fazem parte da rede da UNESCO comprometidos com a valorização do património tangível da região costeira de Nampula, nomeadamente o Japão, Portugal e Noruega no sentido de mobilizar mais recursos financeiros.

Era na feitoria onde se fazia a selecção e compra dos escravos idos sobretudo dos distritos de Erati, Memba, Monapo e Nacaroa, conduzidos depois pela rampa para o interior das embarcações que seguiam para diferentes destinos como as Américas, Ásia e Europa.

A progressiva degradação do Palácio de Verão dos Governadores e a Igreja da Nossa Senhora dos Remédios, é agravada pelo saque por populares, da estrutura de madeira, que a utilizam como combustível lenhoso.

A sede do distrito de Mossuril dista cerca de 40 quilómetros da Ilha de Moçambique e os turistas que demandam aquela que foi a primeira cidade capital de Moçambique, deslocam-se ao continente para conhecerem outros traços da colonização portuguesa e da influência da civilização árabe, patententes nas chamadas Cabaceiras grande e Pequena.

Anúncios

Pastor anglicano está farto de escutar Tina Turner nos funerais

Posted in Comportamento, Religião, Word Music with tags , , on 24 de Outubro de 2009 by gm54

M⁄SICA/TINA TURNER

Um pastor anglicano declarou no seu blog que está farto de realizar funerais ao som de canções de Tina Turner e outros ídolos da música pop.

Ed Tomlinson, de 35 anos, queixa-se que “as mensagens doces das estrelas do pop tenham substituído os hinos e as orações do passado”, informou o jornal The Daily Telegraph.

Segundo o sacerdote, embora os partidários de uma sociedade laica acreditem ter conseguido uma vitória sobre a Igreja, os infiéis “vão acabar na fogueira sem esperança alguma de ressurreição”.

“Pensei em assistir a uma cremação como um limão e perguntar-me que fazia eu num funeral durante o qual os alto-falantes vomitavam melodias de Tina Turner ou outras sentimentais de algum poeta humanista”, comentou no seu blog.

Segundo o sacerdote, o aumento do número de funerais laicos é um sinal da actual marginalização da Igreja.

“É preocupante o facto de que o cuidado pastoral fique nas mãos de pessoas cujo único objectivo é fazer dinheiro”, afirma.

Autor Dan Brown muda para Washington por novo livro

Posted in Literatura, Religião with tags , , , on 9 de Julho de 2009 by gm54

Capa do Livro "O símbolo perdido"

Capa do Livro "O símbolo perdido"

O autor Dan Brown está de mudança para Washington para continuar com a sua bem-sucedida série de livros sobre a teoria da conspiração O Código Da Vinci.

O último romance de Brown, O Símbolo Perdido, será lançado a 15 de setembro e de novo retrata o simbologista fictício de Harvard Robert Langdon, numa história que se realiza num período de 12 horas.

O local e a trama do livro estavam guardados em segredo até que a editora lançou duas capas do livro nesta quarta-feira, no início de uma campanha promocional que inclui palavras cruzadas online e códigos.

A capa norte-americana do livro traz uma imagem do Capitólio com um lacre de cera vermelho contra um fundo de símbolos, enquanto a capa na Grã-Bretanha e na Austrália traz o Capitólio e uma chave.

O editor de Brown nos Estados Unidos, Jason Kaufman, da Knof Doubleday, uma marca da editora Random House, disse em um comunicado que o livro é “em grande medida” passado em Washington, mas “é uma Washington pouco reconhecida”.

“Como podemos esperar, o escritor tira o véu – revelando um mundo não visto de misticismo, sociedades secretas, e locais escondidos… que mostra uma época anterior da América”, disse Kaufman.

O Símbolo Perdido terá 6,5 milhões de cópias na primeira impressão em língua inglesa – a maior impressão da Random House, uma unidade do grupo alemão Bertelsmann AG.

O Código Da Vinci teve mais de 81 milhões de cópias impressas desde seu lançamento em 2003 e ficou no topo dos livros mais vendidos no mundo todo, com uma história que despertou indignação no Vaticano e em muitos católicos devido à história ficcional sobre conspiração na Igreja.

Jornalista que atirou sapatos em Bush pega 3 anos de prisão

Posted in Política Internacional, Religião with tags on 12 de Março de 2009 by gm54

O homem da sapatada contra Bush

O homem da sapatada contra Bush

Um tribunal de Bagdad condenou o repórter iraquiano que atirou os seus sapatos contra o ex-presidente dos EUA George W. Bush a três anos de prisão.

Muntazer al-Zaidi ganhou fama mundial em dezembro, quando atirou os seus sapatos contra o então presidente norte-americano, que liderou a invasão de 2003 que depôs o regime de Saddam Hussein, chamando-o de “cachorro” numa conferência de imprensa.

“Esta sentença é severa e não está em harmonia com a lei, e eventualmente a defesa irá recorrer no tribunal de apelações”, disse Dhiaa al-Saadi, advogado que chefia a equipe de defesa do jornalista.

Do lado de fora do tribunal, a irmã de Zaid Ruqaiya começou a chorar ao ouvir o veredicto, e gritou: “Abaixo Maliki, o agente dos americanos”.

Zaidi, um repórter da TV al-Baghdadiya, despertou opiniões divididas no Iraque, onde a invasão liderada pelos EUA levou a anos de derramamento de sangue por causa do sectarismo, com a morte de dezenas de milhares de iraquianos.

Alguns disseram que um convidado no Iraque jamais deveria ser insultado, e que o incidente constrangeu o país e seus jornalistas.

Mas a ação de Zaidi contra Bush foi recebida por muitos como um acto de protesto, e o gesto de atirar os sapatos espalhou-se em manifestações em todo o mundo.

Dono de óculos de Gandhi rejeita oferta do governo indiano

Posted in Direitos Humanos, Religião with tags , on 4 de Março de 2009 by gm54
Gandhi, o romeiro

Gandhi, o romeiro

O homem que afirma possuir os óculos de Mahatma Gandhi, que serão leiloados na próxima quinta-feira, 5, em Nova Iorque, rejeitou uma oferta do governo indiano.

“Recebi um e-mail de alguém do consulado (indiano) em Nova Iorque. Fizeram-me uma oferta, cujo valor não posso revelar porque é tão baixa que não desejo colocá-los em um aperto”, disse à AFP James Otis, um director de documentários que reside em Los Angeles.

Otis afirma possuir os óculos e outros objectos pessoais de Gandhi, como um relógio de bolso, sandálias de tiras de couro, um prato e um copo, que serão leiloados pelo Antiquorum Auctioneers, apesar dos protestos do governo indiano.

“Nada me faria mais feliz que uma oferta generosa do governo indiano (…) Doaria a minha colecção de imediato”, mas não foi o caso, disse Otis à AFP.

A Antiquorum estima que os óculos de Gandhi receberão entre 20 mil e 30 mil dólares no leilão de quinta-feira.

Yusuf Islam: Memória do existencialismo pop nos tempos de Cat Stevens

Posted in Religião, Word Music with tags on 28 de Fevereiro de 2009 by gm54

Em 1970, Cat Stevens editou “Tea for the Tillerman”, um conjunto de canções que serviram de primeira profecia: este era um músico inquieto, rodeado por problemáticas existenciais sem resposta aparente. Era o início de um percurso que o levou à conversão muçulmana e à mudança de identidade

yusuf_islam_aka_cat_stevens_beard

1970 foi revelador: Bitches Brew (Miles Davis), John Lennon/Plastic Ono Band, Bryter Later (Nick Drake), All Things Must Pass (George Harrison) ou The Madcap Laughs (Syd Barrett) afirmavam em conjunto que o sonho de 60 terminara, longe de concretizado. Baralhavam-se referências e descobriam-se novas inspirações. Mas permanecia a crença numa mudança futura, lado a lado com protagonistas como a Guerra do Vietname. Cat Stevens descobria o seu caminho artístico neste entretanto, com Tea for the Tillerman – punhado de canções sobre dúvidas espirituais, dores de crescimento e questionamento ecológico. O disco é agora reeditado, revelando como foi início da conversão deste Cat para Yusuf Islam, transformado em filantropo espiritual durante três décadas.

Poucas vezes é apontado como referência – nunca cultivou mistérios suficientes para ser estrela pop para idolatrar. Mesmo agora, quando volta a apresentar Tea for the Tillerman (em formato remisturado e ampliado), prefere não esconder nada. Num texto assinado com um simples “Yusuf” (deixou de usar o Islam, diz que a palavra não necessita de “propaganda gratuita”), Steven Demetre Georgiou (baptizado a 21 de Julho de 1948 por uma ascendência grega cipriota e sueca) recorda que escreveu Father and Son porque o preocupava o diálogo com a realidade transcendental, que Wild World é um desgosto de amor – assunto intemporal, tal como a existência. Em 1968, Cat Stevens experimentava os primeiros sabores de uma receita de sucesso, a mesma que ia invadindo as ruas de Londres. No entanto, cedeu a uma tuberculose de difícil recuperação, que o levou a compor como nunca tinha feito até então, escrevendo títulos como But I Might Die Tonight ou On The Road To Find Out. Entre hospitais e estúdios de gravação sentiu ausências e descobriu motivações.

Só em 1978 se converteu ao islão, depois de uma experiência de quase morte no mar da costa da Califórnia. Revelou em diferentes entrevistas que, entre ondas e correntes, exclamou “meu Deus, se me salvares entrego-te a minha vida”. Descobriu mais tarde, numa viagem a Marrocos, o que chamavam de “música para Deus”. Pouco depois era leitor do Alcorão e desistia da carreira de músico no auge do sucesso: era o mais importante nome do catálogo da Island Records, com 60 milhões de discos vendidos. A música tornava-se mero instrumento de adoração, em que a voz deveria ser acompanhada apenas por percussão. Uma simplicidade próxima de Tea for the Tillerman, na verdade, documento assente nas harmonias de guitarras acústicas que nunca se sobrepõem às palavras cantadas. Era folk britânica transformada em pop, despojada mas, ainda assim, excessiva para um homem que agora era Yusuf, por paixão a José, filho de Jacob, exemplo dado pelo Alcorão.

Leiloou os seus instrumentos e afastou-se, acreditando que a cultura do ego que a pop exigia era proibitiva. Dedicou-se por inteiro ao seu novo ser muçulmano, fundando a Islamia Primary School, escola muçulmana de Londres. No entanto, não fugiu a novos ódios, quando no final dos anos 80 foi tido como apoiante da condenação à morte de Salman Rushdie, autor dos Versículos Satânicos. Nos anos 90, a mediatização das suas lutas por causas como as vítimas da guerra dos Balcãs trouxe-lhe novo alento junto de um público que continuou a ser-lhe fiel – Yusuf vende, ainda hoje, cerca de milhão e meio de discos por ano. A luta por uma maior compreensão e tolerância face ao Islão por parte do Ocidente transformou- -se em prioridade, sobretudo depois do 11 de Setembro, que publicamente condenou.

Rendeu-se às evidências em 2006, com a edição de An Other Cup. A música, na sua abrangência instrumental, era-lhe essencial. Voltou aos discos, num regresso que motivou também a reapresentação da obra que dele fez músico de corpo inteiro. Tea for the Tillerman é reedição óbvia ao representar uma visão quase profética da mudança que diz ter resultado no cumprimento de um “ciclo completo”.

Chapéu do Papa voa

Posted in Religião with tags on 19 de Fevereiro de 2009 by gm54

papa

Solidéu do Papa Bento XVI é levado pelo vento durante sua audiência semanal  na Praça de São Pedro, no Vaticano