Arquivo de George W. Bush

Cartoonista norte-americano diz que “Bush foi um equívoco” e que “Obama é um livro aberto”

Posted in Uncategorized with tags , on 13 de Fevereiro de 2009 by gm54
um acidente da história?

George W. Bush: um acidente da história?

O cartoonista político norte-americano Steve Brodner apelida George W. Bush de “equívoco” e um “acidente da história”, descrevendo Barack Obama como “um livro aberto”.

O ilustrador, de 54 anos e com trabalhos publicados em órgãos como o “The New Yorker”, “Rolling Stone”, “Esquire”, “The New York Times” e “The Village Voice”, descreveu George W. Bush como “um equívoco”. “Foi um acidente da história. Bush é uma pessoa sem qualificações para ser presidente do que quer que seja. Conheci-o antes de ser eleito presidente dos EUA e gostei muito dele, no sentido em que pensei que poderia ser uma pessoa muito interessante para gerir um negócio de venda de carros usados”, sublinha.

Já sobre Barack Obama, actual presidente norte-americano, o ilustrador interpreta-o como “um livro aberto”. “Não sabemos, enquanto cartoonistas, o que fazer dele. Muitas pessoas esperam boas coisas da sua governação. Obama terá de balancear o poder que existe nos EUA nas mãos de pessoas poderosas com as necessidades das pessoas comuns. A questão é saber se tem capacidade para gerir tudo isto”, acrescentou.

Steve Brodner descreveu a profissão de ilustrador como a de “Artista narrativo”. “Há poucas diferenças entre o nosso trabalho e o dos cineastas, escritores ou artistas de comics, todos envolvidos em contar uma história. Ao narrar uma história temos de organizar os elementos de forma a fazer o maior sentido na mente de um estranho. É combinando todos estes elementos que se atinge o poder e a magia”, remata.

O autor descreve a opção por trabalhos de cariz político como resultado de sempre ter sido “politicamente alerta e consciente, talvez por ter crescido nos anos 60, altura de grande preocupação sobre situações que estavam a correr de forma terrivelmente errada. Cresci rodeado por pessoas sem medo de se oporem à guerra no Vietname, de se revoltarem contra a opressão de minorias, promovendo ao mesmo tempo direitos civis e de igualdade, é desse meio que venho”, esclarece.

Steve Brodner acredita que os cartoons têm evoluído por “caminhos muito interessantes”. O norte-americano afirmou estarmos actualmente na presença de “um movimento muito vigoroso na área dos comics e novelas gráficas, poderosíssimas em todo o mundo e que se ligam a filmes, que por sua vez se ligam à Internet, ao cinema, etc. Existe uma grande complementaridade entre tudo isto”.

Anúncios

Casa Branca: troca de guarda

Posted in Política with tags , on 14 de Janeiro de 2009 by gm54

bushc2A imagem acima ilustra a troca de chefia que se aproxima na Casa Branca, sede do governo americano. Um membro da atual equipe de governo retira do edifício um retrato do atual presidente, George W. Bush. Na próxima terça-feira, Barack Obama assume o posto, como 44º presidente americano.

Corrida aos sapatos “Bye Bye Bush”

Posted in Política with tags on 24 de Dezembro de 2008 by gm54

 

Aumenta procura dos sapatos

Aumenta procura dos sapatos

Os sapatos que quase acertaram na cara de George W. Bush estão a tornar-se um sucesso comercial a nível planetário. A empresa turca que alegadamente fabricou o par lançado pelo jornalista iraquiano Muntazer al-Zaidi contra o Presidente dos EUA revelou ontem que se viu obrigada a contratar cem novos empregados para responder ao aumento das encomendas do modelo 271 já devidamente rebaptizado Sapato Bush ou Bye Bye Bush.

Segundo o chefe de vendas da Baydan Shoes, sediada em Istambul, os pedidos dispararam e vêm de todo o mundo, incluindo o Iraque e os EUA. Desde o dia em que Al-Zaidi arremessou os sapatos contra Bush, durante uma conferência de imprensa em Bagdad, a empresa recebeu encomendas para 370 mil pares. Normalmente vendia 15 pares por ano.

Oner Bogatekin, responsável pelas exportações da Baydan Shoes, disse à BBC que os trabalhadores reconheceram logo o modelo. “Vimos na TV. Há dez anos que produzimos este sapato, por isso foi fácil para nós reconhecê-lo.” Bogatekin revelou ainda que os sapatos são leves e não magoariam Bush se lhe acertassem.

O sucesso da empresa turca já motivou críticas da família do jornalista. Durgham al-Zaidi atacou aqueles que estão a lucrar à custa do irmão. “Não faz qualquer sentido! Estas pessoas estão a tirar partido daquilo que o meu irmão fez,” disse Durgham, citado pelo jornal britânico Telegraph. “Os sírios dizem que os sapatos foram produzidos na Síria. Os turcos dizem que foram eles a fazê-los. Há quem diga que o meu irmão os comprou no Egipto. Mas tanto quanto sei, ele comprou-os numa loja em Bagdad e são feitos no Iraque.”

Apesar das incontáveis manifestações de apoio por todo o mundo árabe, que o vê como um herói da resistência, Al-Zaidi continua detido. O jornalista que é acusado de tentativa de agressão a um Chefe de Estado estrangeiro vai a julgamento no dia 31 deste mês. Uma condenação pode fechá-lo 15 anos na prisão.

A família disse que Al-Zaidi não está arrependido e que voltaria a atacar Bush tal é o seu ódio ao Presidente que ordenou a invasão do Iraque. Segundo Uday al-Zaidi, outro dos irmãos, o jornalista foi obrigado a escrever a carta em que pede clemência ao primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki.

Uday confirmou ainda que Al-Zaidi sofreu agressões dos guardas. O iraquiano disse que encontrou o irmão com um dente partido e com marcas de queimaduras de cigarros nas orelhas quando o visitou na prisão, domingo.

Sapato contra Bush: “Foi corajoso”, afirma Hugo Chavez

Posted in Política Internacional with tags , , , on 16 de Dezembro de 2008 by gm54

o impopular

Bush: o impopular

 

O gesto do jornalista iraquiano que atirou os seus sapatos contra George W. Bush durante uma visita “relámpago”do presidente americano ao Iraque no passado domingo, 14, é um retrato amargo do fim do mandato de um dos chefes de Estado mais impopulares da História americana.

De acordo com analistas políticos o gesto representa esse final melancólico, além da falta de credibilidade e legitimidade do governo liderado por Bush, jornalista Edmundo Galiza Matos.

George W. Bush tentou minimizar o incidente, dizendo que a atitude do repórter, que também o chamou de “cão”, não representa um movimento maior no Iraque.

Na cultura árabe, ser chamado de “cão” é um grave insulto e os sapatos são um instrumento de desprezo: em 2003, os iraquianos atacaram da mesma forma a estátua do ex-ditador Saddam Hussein a sapatadas.

O irmão do jornalista disse que o manifesto foi em protesto contra o que qualifica de “mau comportamento dos soldados americanos no Iraque”.

Por sua vez, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, enalteceu a coragem do jornalista.
Ferrenho crítico da Casa Branca, Hugo Chavez é conhecido por, em diversas ocasiões, ter desferido toda a sorte de impropérios contra George W. Bush, que deverá abandonar o poder em janeiro.
”Aquilo é o que se chama ser corajoso”, disse um sorridente Hugo Chávez numa transmissão da televisão estatal venezuelana, que repetiu várias vezes a cena em que Bush esquiva-se de forma magistral do sapato arremessado pelo jornalista iraquiano.
Em novembro, uma pesquisa divulgada pela rede de televisão CNN mostrou que Bush está a deixar a Casa Branca como o presidente mais impopular desde que as sondagens de aprovação de governo surgiram, há mais de seis décadas.

Antes de Bush, o recorde de rejeição era de Harry Truman, cuja gestão era desaprovada por 67% dos americanos em janeiro de 1952, o seu último ano na Casa Branca.

No inicio deste mês, George W. Bush admitiu, em entrevista à emissora ABC, que não estava preparado para a guerra quando assumiu a Presidência, em 2000.