Arquivo de Africa do Sul

Actriz é acusada de racismo

Posted in Uncategorized with tags , , , on 29 de Maio de 2009 by gm54
"Agora sou vista como racista"

"Agora sou vista como racista"

Uma peça destinada a promover a harmonia interracial na África do Sul acabou envolvida justamente em polêmica sobre racismo. Carolyn Forward, actriz de 22 anos, abandonou uma produção de “O Flautista de Hamelin” por ter que beijar na boca o colega negro Unathi Dyantyi durante a encenação. O que para ela foi apontado como “não-higiênico” e “inapropriado” para o público a que se destinava (infantil), para ele foi visto como racismo. Carolyn nega.

Em reportagem do jornal britânico The Guardian, Dyantyi conta que a actriz o empurrava e se encolhia toda a vez que eles tinham que se beijar durante a apresentação. “Eu sentia-se um lixo cada vez que nós tínhamos que fazer isso, por causa do jeito que ela me tratava”, disse o actor. “Ela não queria me beijar. Dizia que achava desnecessário e que o beijo não era higiênico”.

"Ainda há racismo na África do Sul"

"Ainda há racismo na África do Sul"

Dyantyi se disse sem palavras diante do episódio. “O que há de não higiênico num beijo? E o que há de desnecessário nisso? É necessário para o que o director está a tentar fazer. Ele está a tentar transmitir a mensagem de que não tem problema de diferentes culturas se apaixonarem. Somos um país multicultural e estamos a tentar transmitir isso”, afirmou. “Ainda há racismo na África do Sul, mas é muito subtil”.

Carolyn nega as acusações. “É uma peça para crianças de oito anos de idade”, disse ela. “Eles queriam que eu beijasse um homem por 20 segundos, o que é inapropriado para aquele público”, argumentou. “E não seria higiênico, porque era um show itinerante”. Carolyn largou a peça após 12 apresentações – deixando outras 50 no encargo de uma substituta. Mas, segundo ela, “não tem nada a ver com o beijo”. “Mas agora sou vista como racista”.

Anúncios

ANC é favorito nas urnas desta quarta-feira

Posted in Uncategorized with tags , , , on 22 de Abril de 2009 by gm54

Zuma próximo presidente da Africa do Sul

Zuma próximo presidente da Africa do Sul

O Congresso Nacional Africano (ANC), partido símbolo da luta contra o apartheid na África do Sul, enfrenta nesta quarta-feira, 22, o seu maior desafio nas urnas desde que chegou ao poder, em 1994.  O partido de Nelson Mandela, que manteve a hegemonia política na África do Sul nos últimos 15 anos, deve vencer as eleições desta quarta-feira e indicar o seu líder, Jacob Zuma, para a Presidência do país. No entanto, o ANC pode sair das eleições sul-africanas sem a maioria de dois terços no Parlamento, necessária para alterar a Constituição.

Mais de 23 milhões de eleitores estão registados para votar nas eleições nacionais e provinciais da maior economia da África. Os resultados oficiais devem ser divulgados apenas na sexta-feira.

Cercado de escândalos – entre eles um suposto estupro de uma mulher HIV positivo -, Zuma deve tornar-se o quarto presidente escolhido democraticamente, mas terá trabalho para assegurar aos investidores que o seu governo manterá as políticas que criaram o maior período de crescimento econômico da história da África do Sul.

Analistas dizem que a maioria de 70% que o ANC tem hoje na Assembleia Nacional pode ser reduzida para entre 60 e 65%. Se o partido obtiver menos de dois terços do Parlamento, dependerá de acordos com os outras legendas para aprovar qualquer emenda na Constituição.